Jovens lideram as compras online durante a quarentena

Millennials e Centennials saem na dianteira como as gerações que aumentaram suas compras online em decorrência do Covid-19, entre a população geral há cautela no consumo de bens e aumento no consumo de mídia pelo mundo


As gerações Centennials (nascidos a partir de 1997, final do século 20 e início do século 21) e Millennials (nascidos entre 1984 e 2004), têm uma expectativa maior quanto a participação mais proativa das marcas na sociedade, em comparação com outras faixas etárias, indica pesquisa do Kantar Thermometer. Segundo o estudo online, realizado em mais de 50 mercados pelo mundo, 48% dos Centennials e dos Millennials esperam que as marcas sejam exemplos e guias de mudança e 39% que elas usem seu conhecimento para explicar e informar sobre o atual cenário. 

O que os consumidores esperam das marcas?

Os Centennials e Millennials também saem na dianteira como as gerações que mais intensificaram suas compras online em decorrência da Covid-19. Entre as pessoas que declararam comprar online, 39% dos jovens adultos disseram aumentar suas compras em relação ao último mês e 47% que devem aumentar a frequência no futuro. 

Como a situação atual do coronavírus impactou nos seus hábitos de compra online? 

Os hábitos de consumo de mídia das gerações mais jovens também se acentuaram com o distanciamento social. TV e canais digitais têm atenção dividida e amplificada entre eles, como fonte de entretenimento e informação. Millennials e Centennials declaram terem aumentado o consumo de quase todos os meios, o que significa um aumento maior em relação ao das outras faixas etárias. 

Entre a população geral, cautela no consumo 

Em tempos de isolamento social e quarentena, os consumidores têm realizado menos visitas aos pontos de venda, resultando em compras maiores por viagem. 

As compras online continuam ganhando destaque. Na América Latina, o e-commerce cresceu 3,3 vezes nas quatro semanas após o isolamento social (semana de 6 de abril, em comparação com a semana de 9 de março). Entre os latino-americanos, 78% declararam que devem continuar a utilizar o e-commerce no futuro. No Brasil, esse índice chega a 82%. 

Um olhar para a mídia 

A pandemia de Covid-19 se espalhou pelo mundo e, conforme as medidas de isolamento social são adotadas pelos países, o consumo de mídia aumenta. A audiência de TV, por exemplo, segue crescendo no mundo inteiro, em relação ao mesmo período do ano passado. No Brasil, o aumento chega a 19%. 

Aumento de tempo de consumo de TV em relação ao mesmo período de 2019 

Assistir TV é um comportamento social e, em um momento em que as pessoas estão socialmente distantes, o comportamento de assistir televisão com outras pessoas da mesma residência cresceu. O aumento na audiência de indivíduos acompanhados cresceu 36% no Brasil, na comparação entre o período de 2 a 8 de março e 13 a 19 de abril. 

Já o rádio  exerce diversas funções neste período de isolamento, com um papel diferente para cada faixa etária. Entre os mais jovens, o rádio nesse momento é para ouvir música; já os jovens adultos estão ouvindo por que têm mais tempo livre e para se informar sobre a Covid-19; enquanto os mais velhos escutam para se informar de acontecimentos gerais.  

Digital: Atividade Publicitária 

Na publicidade online, as categorias relacionadas às atividades fora de casa foram impactadas negativamente, enquanto lojas de departamento aumentaram sua presença. 

 

Mídias sociais 

Com seus "desafios" que geram engajamento em massa, o TikTok se tornou uma forma de entretenimento rápido e de socialização digital em tempos de isolamento social para a geração mais jovem, mas o uso do YouTube e Instagram continua crescendo devido ao aumento das lives transmissões ao vivo que incluem exercícios, receitas de culinária e, claro, os shows de música.   


Adaptar-se às mudanças fará a diferença após a pandemia de Covid-19, diz Kantar 

Quinta edição de pesquisa do Kantar Thermometer mostra que marcas mais humanizadas, consumo consciente e mídia que informa e distrai são algumas das lições que a pandemia traz. TV e rádio mantêm protagonismo